12.5.06

Leva eu - movimento Book Crossing


Encontrar um livro na rua pode não ser mero acaso

Lembra do fascínio de escrever uma mensagem, colocá-la numa garrafa e atirá-la ao mar? A matéria-prima desse sentimento é o acaso, ou serendipity - palavra com origem na história Os Três Príncipes de Serendip (antigo Sri Lanka), em que os personagens faziam descobertas por acidente. Há quem colecione situações desse tipo. Em 1991, o escritor americano Paul Auster publicou The Red Notebook, um livro de fragmentos e anotações sobre eventos cotidianos - todos singelos e misteriosos, como o de encontrar um pedaço de papel num quarto de hotel em Paris e descobrir que o hóspede anterior era amigo dele.

É esse também o princípio do movimento Book Crossing, nova versão das mensagens na garrafa. Você deixa livros em bancos de praça e lugares públicos esperando alguém os encontrar, ler e gentilmente os abandonar de novo, num elo invisível e meio mágico entre pessoas que não se conhecem (ou se conhecem, vai saber…). "Adoro a idéia de compartilhar literatura, me sinto parte de uma comunidade", diz Spiegel, codinome de uma gaúcha que agora compra livros só para libertá-los ao vento do acaso. Em www.bookcrossing.com é possível registrar onde e quando "esquecemos" um livro e rastrear dezenas de outros que circulam no mundo, inclusive no Brasil. Boa Sorte!

Nenhum comentário: