24.6.06

NÃO HÁ DE QUÊ



... Só é triste quem não mistura os fatos com as impressões.
Toque-me na perna, no pescoço, o braço ficará arrepiado e será um acontecimento. Toque-me na memória e vou me encontrar mais do que me pertenci. Não existe escombro que não possa servir de pedra novamente.
Não há quem não feche os olhos ao comer, não há quem não feche os olhos ao cantar a música favorita, não há quem não feche os olhos ao beijar, não há quem não feche os olhos ao abraçar.
Fechamos os olhos para garantir a memória da memória. É ali que a vida entra e perdura, naquela escuridão mínima, no avesso das pálpebras.
Concentramo-nos para segurar a dispersão, para segurar o ritmo ao calor da música. O rosto é uma estrutura perfeita do silêncio. Os cílios se mexem como pedais da memória. Experimenta-se uma vez mais aquilo que não era possível...

2 comentários:

Vivis disse...

Lindo.......

Fechei os olhos pra relembrar o texto....

mais é so voltar aqui pra ler de novo...

Adoro seu blog...

adoro vc!!! hehehehe


bjksss

Anônimo disse...

DE OLHOS BEM FECHADOS ..PRA NAO ESCAPAR NENHUM MOMENTO .. BEIJO ..EU