20.11.06

Tú me faz bem


Os dedos já afinados de flauta.
Ver você namorando o espelho.
O meu rosto perto do seu rosto.
Seu apuro de ouvido.
As linhas dos lábios desenhadas.
Nenhum escândalo diante do tempo,
nenhum pavor de mortalidade.
Meus cabelos armados pelo costume
de soltá-los somente na cama.
Nossas vozes dentro das vozes de nossos filhos.
Enganar o nome de quem chega.
A maior aventura não é correr o mundo,
é correr os olhos, aventurar-se pelo interior.
Não desejo sua juventude, desejo sua permanência.

Nenhum comentário: