20.6.05

SCRAPBOOK



de ouvido ouvi que ficaria di vi di do
entre o escorregar & o piso du vi do

17.6.05

Durar e mudar: um duelo

O francês Henri Bergson foi um dos mais importantes filósofos do século 20 e todos os que estudam, ou conhecem filosofia, sabem disso. Seu Matéria e Memória é imenso como retrato da caminhada humana. Um outro livro seu, de enorme importância — A Evolução Criadora —, de 1907, acaba de ser lançado pela Martins Fontes. Nele, Bergson fala lindamente de um duelo nosso durante a passagem: entender que a vida é durar e mudar, que é movimento, atuação continuada, fluxo incessante, alteração e mutação seqüentes, mas é também continuidade, prolongamento, manutenção. Não é à toa que somos Uni-Verso, temos um compromisso de seguir, mas, também, de permanecer. Como pode acontecer isso num mesmo espaço? Essa é a grande sabedoria, a plena evolução criadora. Não podemos deixar de nos envolver com o novo, com que o chega a arejar os nossos quadros mentais, o que nos tira dessa Zona de Conforto, tão gostosa, mas que vai aos poucos nos bitolando. Temos que mudar, também, porque o mundo à frente nos pede isso, as exigências estão aí, não se pode ignorá-las e parar no tempo, mesmo que esse tempo seja uma preciosa reflexão. Essa idéia é vívida e real em nossa inteligência. O ficar num ponto só é o bloqueio para se dar conta da vida. Mas é preciso também permanecer, manter e assumir a maravilha dessa duração ordinária da existência. Até porque temos um passado que é vestígio e um material já vivido que não pode nunca ser desprezado. Seguir adiante, abandonando o existente, é a maior perda que alguém pode sofrer, um desperdício absurdo e idiota. Durar e mudar é a suprema essência do ser para Bergson. Isso nada tem de místico, de difícil, de misterioso. Como ele coloca, é apenas o convívio bonito e sutil da inteligência com o instinto. O ponto chave é a intuição: sentir dentro de si mesmo o que precisa constantemente ser mudado e o que deve ser mantido a qualquer preço. É isso que nos faz senhores da nossa própria vida, elevando-a a algo superior. Lindo, não? Eis porque ele é Bergson.

11.6.05

amigos imaginários

eu dirigindo.
mateus falando sozinho no banco de trás e lançando o travesseirinho para todos os lados.

- filho, vc tá falando comigo?
- não, mãe, não é nada com você.
- então com quem está falando? com seus amigos imaginários?
- é mãe.
- e quem são eles? pode me apresentar?
- ahh mãe, acho que você não vai adorar eles, são todos NINJAS.

9.6.05

seja feliz



crianças nos dão mostras gratuitas de como ser feliz.
experimente. realize. disfrute. Posted by Hello

2.6.05

PORTUGAL, uma viagem inesquecível!

Da Janela do Hotel, avisto:
-Olha tem onda, vamos??? (pergunto para meu amigo)
Bem, como muitos sabem, Portugal é um país do 1º mundo, localizado na Europa e considerado o "primo pobre" dessa união, assim diz meu amigo Thiago Kafejian, tem uma representação super importante no aspecto estória cultural e para nós, brasileiros, mais ainda, pois herdamos muitas características do país que colonizou nosso TERRA BRASILIS. Além do idioma, hábitos, arquitetura, alguns tipos de vestuário e costumes, existem também o aspecto recepcionismo.
Povo educado e que merece aplausos...

Bem, muitos não devem nem estar entendendo o porque desses elogios. Estive em Portugal na semana que decorreu do dia 21 até 30 de maio, em um evento de surf à convite da organização, e pude nesse pouco tempo perceber o quanto existe de especial em um lugar que nem ao menos eu imaginava. Fora o frio que era algo muito ruim, o restante foram só surpresas. Partindo do princípio que "QUEM PROCURA, ACHA", eu posso concluir, eu achei, achei um lugar onde eu posso começar a desenvolver algo muito especial e que tenho muita vontade e que infelizmente, no nosso país por motivos maiores de déficit na economia, roubo na política, violência generalizada e outros aspectos mais, me fazem entender que a vida não está aqui. Está lá!

Bem, mas como assim? Para entender melhor isso, só indo e conhecendo. De repente, é bem capaz que você perceba que moramos no melhor país em beleza, em diversão, em costumes, mas não conhecemos o outro lado da moeda que só um país do 1º mundo vive. A realidade é muito maior do que essa que vivemos. Dando passos para o futuro, conhecemos as maravilhas do mundo...

E depois da session...
- Cara, como é bom estar aqui, até parece que estamos no Brasil (pelo idioma), só que desenvolvido!

ALOHA!!!
http://www.paue.com.br

quem conta a história é nosso amigo Pauê (MALOHA!)


um exemplo de paratleta:
ps. Pauê é integrante da seleção brasileira paraolímpica de ciclismo,
único triatleta amputado bilateral presente em competições de triathlon no Brasil e único surfista amputado bilateral no mundo, além de lindo.
(tem como não ser um exemplo?)...
Posted by Hello

1.6.05

haikai


tia sempre
bom ter você
na vida
Posted by Hello

Ser lembrado

O senhor idoso, num gesto de compreensível irritação, ao ser pressionado por familiares para que fizesse uma caminhada todos os dias, sedentário que sempre foi e avesso a qualquer exercício físico, gritou: ‘‘Quero que me esqueçam’’. A senhora que cruzou comigo, ontem, na farmácia, falou sem mais nem menos: ‘‘Sabe, tenho uma amiga que faz o seu curso. Esta semana é aula aberta, não é? Todas as vezes que tem, ela liga para mim, convidando, mas nunca fui’’. Alguém fala, até com certo orgulho, de seu natural desligamento e de que nunca lembra de agradecer os potinhos com doce de abóbora, de coco queimado e de cidra que a vizinha traz do sítio e lhe manda sempre. Ao senhor, muito próximo a mim, disse: ‘‘Que bom que as pessoas à volta ainda se preocupam com sua saúde e bem-estar e ligam perguntando se você tem andado’’. À tal senhora com quem cruzei na farmácia, respondi no ato: ‘‘Se a senhora é convidada tantas vezes por sua amiga, deveria aceitar, muito menos pela minha aula, que pode nem lhe agradar, mas pelo carinho do convite’’. E à desligada que nunca agradece nada, respondo por aqui: coisa boa é receber de alguém esse gesto de afeto, o petit-bonheur, como falamos dia desses. Que iluminação gostosa em nosso cotidiano. A eles, a mim, a vocês: sabe porque a gente precisa agradecer e aceitar os convites feitos? Porque, diante da constante recusa, da falta de eco ou da indiferença, um dia as pessoas se cansam e não nos convidam mais, assim como deixam de perguntar como estamos e de se interessar por nós. E ser lembrado é uma das melhores coisas dessa vida. Muitas vezes, e infelizmente, só reconhecida quando ficamos sós, abandonados, relegados ao esquecimento. Ser lembrado é nos chamar à vida, é dar um novo significado a um relacionamento, é exaltar e acariciar a nossa condição de seres amoráveis, expansivos e plenos. Reconheçam e respondam a esses gestos com o mais doce agradecimento, com a troca possível. Ser lembrado por um amigo é o sonho do amor presente em nosso dia-a-dia. Que abre a nossa alma para a integração ao Todo.
Luiz Alca de Sant‘anna (um colunista "A Tribuna" pra se lembrar de ler, sempre...)